11.9.06

Backstage


Ele invadiu e por trás. Nem sequer perguntou se podia, a foda já estava mais do que quente para ser interrompida com cerimônias. Ela tremeu, se encolheu diante da dor extrema que o ato provoca. O bico do peito endureceu, não sabia se de excitação ou pavor. Foi se acostumando com a idéia, mais pela condição em que se encontrava. Estava totalmente dominada, era quase um estupro. E nos dias de hoje, com tanta luta das feministas pela igualdade, ser dominada assim havia se tornado um fetiche para ela. Era independente, bonita, tinha dinheiro e apartamento. Não precisava de ninguém. Podia sim ser subjugada. Nossa, que pau duro esse, pensou. E se sentiu molhada novamente, a dor estava dando lugar ao prazer. Demorou a admitir isso, mas sexo anal era bom, uma delícia. Leu que apenas 15% das mulheres admitem fazê-lo e se encheu de orgulho. Se sentiu inchada e quente e desejou mais e mais. Agora gritava. Entendeu que a mulher leva a melhor na hora em que trepa. Além dos peitos fartos, tem vagina, clitóris, lábios. Podem-lhe comer o rabo enquanto ela brinca com os dedos, enfiando, tirando, esfregando. Pensou que amanhã mesmo iria comprar um vibrador para sentir ainda mais prazer. Se orgulhou de novo em ser mulher. E riu da idéia de que o homem se contenta em comer seu cu, que se gaba por isso e nem consegue enxergar que quem se dá bem na verdade é ela.

7 comentários:

Duas disse...

no começo do texto o olho arregala. no meio, o queixo cai. no fim, hum, dá uma dor na bunda hahaaha
muito corajoso, docinho. e real:)
beijos.

Bruno R. disse...

hummm...
literatura erótica ou menifesto sobre a liberdade feminina?
não sei ao certo, mas gostei. principalmente da forma como descreveu a sensação de poder da mulher ao saber que pode ser subjugada sem dor na consciência como efeito colateral.

mas a dor na bunda eu não senti, não. ainda bem! hehehe.

beijos

Anônimo disse...

gente, eu queria ter escrito isso.... hehehehehehee
Ju Dadalto

bighead disse...

muito bom.

carol veiga disse...

Adorei. Adorei. Bem escrito, com uma aura bem feminina e tentador! beijo, carol v.

Anônimo disse...

Tô bobaaa! Adorei.
Sandra

Anônimo disse...

Nossa, muito bom, comecei a ler todos os textos, me apaixonei pela forma como você escreve, :O