4.8.08

Prefiro nada



Isso não é uma carta de amor.
É a carta de quem nunca tentou.
De quem tem o que merece: a infelicidade
pedida à la carte, por livre e espontânea vontade.
De quem se alimenta de pequenas sensações voláteis.
Uma vida miserável que sente prazer na caça.
O vazio me move.

Assumo que não quis enxergar o quanto você era diferente.
Sabia, lá no fundo, que pessoas como você são raridade.
Mas deixei lá no fundo mesmo. Junto com minha coragem.
Preferi isso que tenho agora. Efemeridade, sentimentos ralos,
uma vida levada na superfície. Troquei você por sexo mais ou menos com um aqui outro ali, por aquele calor no peito que precede o primeiro beijo com alguém novo. Escolhi continuar procurando. Me dá mais prazer.

Nunca vai ser igual. Ninguém tem esse gosto, ninguém tem esse cheiro bem ali atrás da orelha, esse jeitinho de terminar um beijo.
Ninguém tem esse olhar que me frita, que me faz pensar em sexo quando estou cortando cebola. Ninguém tem essa voz que faz minhas pernas se abrirem automaticamente, ninguém arranca esses gritos, esses pedidos falsos para parar. Sou dobradiça frouxa com você.
Mas não posso trocar o mundo do maravilhoso desconhecido por nós.
Aliás, mal consigo falar nós. Preciso da adrenalina que alimenta os pobres de espírito.

Não é o momento. Já ouvi isso antes. Você é ótima, mas não estou pronto pra isso agora. Chegou minha vez de ser a idiota.
Abro mão de você, de todas as risadas que arranca de mim, de todas as possibilidades de um futuro feliz, pela busca.
Assumo o risco de me arrepender profundamente.
De um dia bater à sua porta e dar de cara com sua esposa perfeita, carregando um bebê-propaganda, em uma casa tinindo de limpa, cheirando a uma felicidade insuportável e inabalável. Diria que errei de número e perguntaria onde tem um bar.
Passaria o dia bebendo sozinha, esperando que você passasse só pra ter o prazer de me ver
conformada com a vida besta que escolhi e repetir baixinho que sabia que isso aconteceria.
Você mereceria se esbaldar com minha desgraça.

Sou uma imbecil, eu sei. Não estou preparada para tanto amor, para uma vida adulta. Você é demais. Certamente me faria crescer, arrumar um emprego melhor, vestir algo passado, comprar meias novas, freqüentar lugares onde os garçons são simpáticos.
Preciso de alguém pra quem possa apresentar Lynch, Sandman, Radiohead. Alguém mais cru. Alguém menos ameaçador à minha auto-estima.

Você me faz querer ser melhor. E eu não posso conviver com essa pressão.

Ilustração de Carol Cuquetto: oamareloeonada.blogspot.com

44 comentários:

Srta. Rosa disse...

Vixe que essa semana o negócio todo foi contagioso, rs, sobre fins de bons relacionamentos.

Bezzos, lindo texto.

Anônimo disse...

.CHOREI

E MORRI!


.

jubliana. disse...

essa parece uma história que aconteceu a pouco com um amigo, uma amiga...

Aliás, isso é algo que simplesmente contece. é idiota pra quem tá de fora, mas acontece.

Duas disse...

texto-tapa.

docinho, tá foda.

beijo

Anônimo disse...

.soconacara

Anônimo disse...

Nossa eu sei como é isso e como sei, ai vai meu recado a todos que não se permitiram viver um amor, um grande amor.
Culpa não tem remédio. As pessoas não são descartáveis. Só pensem nisso. Tem oportunidades que não voltam e sentimentos que você vai ter que conviver para sempre. Fujir para onde? Esta dentro de você.

darsh. disse...

nossa
eu mais ou menos terminei meu namoro assim
agora há pouco

=O

darsh. disse...

ai que vergonhaa
hahaha
x)

Helen Pedroso disse...

Aix!! Eu já assumi esse risco, fui imbecil e hoje tenho que conviver com " uma felicidade insuportável e inabalável." alheia!
Poderia ter escrito este texto se tivesse o talento de uma das Duas!

Mas não me arrependo, não! Apesar de ter vontade de me castigar com um monte de músicas sertanejas-dor-de-cotovelo e chorar atá alagar o quarto quando leio um texto desses!

Beijos

Simone disse...

Eu queria me arrepender... Fiz e não me arrependo...
Resolvi que o comercial de margarina é para quem tem vocação...
Morro de medo de ficar só... Mas, a vontade de me conhecer e ser feliz, ainda são maiores...
Eu sinto falta do abraço, do calor do corpo dele, da presença quase invisível...Mas, tô gostando da minha companhia e da liberdade de escolher o que fazer com o tempo livre...
Mas, não quero a caça... quero estar com quem faz meu peito vibrar e tentar manter esta vibração... Não deixar cair na rotina massacrante, que acaba com a harmonia do comercial de margarina...
Eu estou pagando pra ver... Pela primeira vez... E estou amando...
Que texto mais phoda...rsrs
Certeiro...rsrs
"Prefiro nada" a viver algo que não sou eu... e nem é ele...

Renata disse...

Também chorei um pouquinho.

Foi uma dor que bateu.

Bjs, Rê.

absurdosabstratos disse...

Para não repetir tanta coisa que já disseram, digo que já fiz e já me arrependi também.

Mas, como até um pé na bunda te empurra pra frente, a experiência me fez desejar fazer certo quando numa outra chance.

No mais, o texto está bom pra caralho mesmo.

Juh disse...

Putz!!
e como acontece...
muito bom!

Re disse...

Nossa, este texto bateu...
Muito bom!
beijo
Re

Anônimo disse...

nooossa ... tapa na cara!

realmente..chorei e ri ao ler e por vezes achar q se tratava da minha pessoa!

=S

moniquemoro disse...

que texto fo-da!

meu deus...
como vocês fazem isso?!
sou fã assumida.

Fernanda Pereira disse...

estou nesse (des)caminho, nesse exato momento...

Mexeu comigo...mexeu...

Anônimo disse...

Ontem eu recebi uma ligação que me faria escrever esse texto se eu fosse louca de largar alguém como "ele"!!!

Dois caminhos, duas ecolhas... Só o tempo ajuda nesse tipo de situação...

Dedinhos Nervosos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dedinhos Nervosos disse...

Acho que foi a única vez que não me identifiquei com um texto de vcs. Ou estaria cortando os pulsos agora. rs
Bjos.

Laís disse...

Simplesmente...Maravilhoso como sempre!!
Vocês são realmente FODAS

Roberta Foletto disse...

olha, eu nao chorei nao, mas achei o texto espetacular...
lendo assim, parece que e facil escrever isso... afinal de contas...a gente vive isso, a gente sente...
mas nao e nao...
voce e muito boa
seja la quem voce seja :)

Izaias disse...

Caramba... muito bom...
Por vezes me sinto assim... Pressão demais, sei bem como é
uheuheue

seria esse texto o "caiu a ficha" do texto anterior?

Parabens pelos textos!

tai disse...

ma-ra-vi-lho-so.

parabéns, gostei mesmo!

favoritei aqui.

Guilherme disse...

ui, alas.

alvarêz dewïzqe disse...

Elisa e Valéria... e agora? comentar o que depois do turbilhão que foi ler isso? A perfeição de uma realidade imperfeita, é isso.

FIGBATERA disse...

Concordo com a "Laís" sobre o texto:

"Simplesmente...Maravilhoso como sempre!!
Vocês são realmente FODAS"

É o retrato perfeito de uma masoquista.

Giovana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Giovana disse...

Puta que merda.
"Ma réalité".
Escolhi o comercial de margarina. E agora que quero desistir, que preciso voar, tenho medo. Medo do desconhecido, da solidão... de coisas que já vivi e não quero viver de novo.
Me sinto medíocre e resignada, mas... fazer o quê.
Vocês continuam incríveis!!
Bjão

Anônimo disse...

Muito bom, identidade total
"eu não consigo ser alegre o tempo inteiro"

Karlinha disse...

Cruel!
Eu quero e estou tendo tudo que ela deixou pra trás ;)

everson disse...

gostei muito desse :)
beijo

instantes e momentos disse...

quando li o título de seu blog, me deu curiosidade de ler, de vir aqui.
E com certeza o blog, não é nada do que o título sugere.
É um blog muito bom, parabens.
Uma bela semana.
Maurizio.

*** muda o nome desse blog.

Paula disse...

Maravilhoso o texto!

elisa disse...

caracas. 14 minutos de cara.
tô passada com o texto.
mto mto mto bom!

bjusss

Gigi Quebrabarraco disse...

Comercial de margarina... rsss estilo de vida certo.
Mas o meu é mascarado e eu nem tenho coragem de mandar o cara "diferente" andar!
Parabéns, eu sou viciada nos seus textos!

ANDREA MENTOR disse...

Fodeu!!!

Cineasta 81 disse...

Leia Pineal

http://pineal.wordpress.com/

Bruno Reis disse...

esse é aquele do tipo doloroso. aliás, são os melhores.
=)

El@21 disse...

Muito bom...
Fazer o que??!! naum consigo essa tal coisa a qual chamo de liberdade...
Bjinhus boa semana

::Soda Cáustica:: disse...

Joga a pá de terra agora. Amei o texto, perfeito para o meu momento de "pequenas sensações voláteis".
Vcs já estão nos meus favoritos.

Lyka disse...

Quedéme feliz y triste al mismo tiempo.
Has hecho una cosa de palmas.


:)

Besitos chica.

Lyne

Garota Geek disse...

Muito foda o texto... mesmo mesmo! Parabéns =D

Anônimo disse...

Uma lança certeira no meu peito... Partiu-me em duas, minto, em muitas!