18.8.09

Relações

O tempo realmente muda tudo. A forma de pensar muda assustadoramente. Mais do que a bunda que murcha ou o peito que cai. Nasci apaixonada pelo meu pai e acho que ele por mim. Percebi pela quantidade de fotos minhas tiradas enquanto eu ainda não falava. Tenho imagens fortes na memória onde ele me leva para o parque, para andar de bicicleta, monta um painel com luzes e me deixa fazer uma festa na garagem sem aparecer por lá de hora em hora. Não fala com meus namorados, me ensina a dirigir aos catorze anos. Me mostra como fazer uma ultrapassagem segura, a como ser educada no trânsito, a como evitar problemas no carro. Sim, meu pai, meu herói. Acordava às 3 da manhã para me buscar onde quer que fosse. Dizia para não fumar e que deveria gostar de um bom vinho. Ou um bom uísque. Ou qualquer bebida que fosse de boa qualidade. Me deu um conselho que vale uma vida: viaje. Coisa que ele fazia com frequência. O que na época entendia como obrigações do trabalho, entendi que na verdade era uma forma de ficar longe de casa e da minha mãe.

Minha mãe ficou muitas noites sozinha, comigo e com meu irmão. Nós dois pequenos numa cidade hostil. Ela ressentida pela ausência do meu pai, a gente tirando a paciência que ela não tinha mais. Tenho poucos momentos dela em minhas lembranças. Quase não temos fotos juntas. Ela dormia cedo e aos domingos me mandava entrar em casa às seis horas, na hora em que a brincadeira começava a ficar boa. Ordens, um monte delas. Minha mãe não descuidava nunca. Tudo no lugar, roupas, sapatos, dentes escovados, cama arrumada, livro lido, cabelo penteado, regras, regras, regras. Não havia diálogo, nem momentos risonhos. Era tudo em linha reta. Minha mãe passou por poucas e boas. Teve um marido infiel e boa parte do tempo, ausente. Perdeu um filho, passou a morar sozinha. Não se casou mais. Passamos por muitas crises. E as crises passaram por nós. Ainda não rimos tanto mas conversamos sabiamente. Ela lê, eu também. Ela vê bons filmes, eu também. Temos o que conversar. Ela entende as minhas dores, e ainda não consigo entender como ela conseguiu superar as dela. E assim temos longas conversas, o meu tom em desespero, o dela, preciso e calmo.

Pai e mãe. Não sei como medir o amor por eles, mas existe. Tenho inúmeros motivos para amá-los. Mas nem isso impediu de mudar a relação que tenho com eles. De, com o passar do tempo, vê-los de maneira totalmente diferente. É justamente aí que mora o temor de jurar que ficarei com alguém para sempre. Não existe certeza mais imbecil do que essa. Não consigo entender como prometer algo que foge do seu controle por completo. Claro que já quis ficar com alguém até morrer. Mas isso hoje me parece o desejo mais estapafúrdio que alguém pode querer. Tudo muda, e não só a pessoa que está ao seu lado, mas aquela que mora dentro de você.

Ilustração em Vida Besta.


51 comentários:

allana ;D disse...

Que saudades que eu estava do blog de vocês! Todo dia acesso pra ver se tem post novo, virou um vício. E não há um, apenas um, que não ACABE comigo por completo, seeempre me fazendo ver o lado que eu simplismente decidi não olhar. Obrigada meeeeesmo, vocês sãos OS CARAS!

Rachel disse...

Eu sou do tipo, curto muito meu pai e tenho problemas com a minha mãe. Justamente por isso: ela educava, segurava as pontas e eu só passava fins de semana com meu pai.
Mas o amor que tenho pelos 2, é incondicional.
Valeu meninas!

RivaEscrita disse...

Escrita apuradíssima e inteligente. Uma forma leve de dizer tudo. Parabéns. Felicidade prá todas.

Robledo Castro disse...

Mudanças, mudanças e mudanças. Quantas ainda hão de existir em nossas vidas? Tomara que muitas. Crescer é mudar. Pelo menos é o que eu acho. Muito bom o texto. NOVAMENTE!

Elisa Quadros e Valeria Semeraro disse...

fluiu como se eu mesma tivesse vivido tudo isso. lindo.
beijo, docinhooo

Bruno Reis disse...

É tão engraçado isso. As relações com um e com outro são mesmo diferentes, e com o tempo são capazes de mudar ainda mais, de forma definitiva. Já tive ódio, já amei, já desejei ser igual, já pensei em arrancar cada traço de semelhança, já jurei vingança, já agradeci. Hoje em dia penso em tentar ser o mais pacífico possível, ainda que me seja difícil às vezes. Não que eu não os ame - pelo contrário, amo e muito. Mas é que agora eu os conheço muito mais a fundo. Cresci, né.

Adri disse...

Parabéns pelo texto! Lindo e verdadeiro!

figbatera disse...

Como sempre, belas colocações!
Tudo muda o tempo todo.

Paulo Bono disse...

bacana, verdadeiro, forte. muito bom. e fica a dica: nada de tatuagens com o nome da figura.

abraço

Mari disse...

"Tudo muda, e não só a pessoa que está ao seu lado, mas aquela que mora dentro de você."

é isso e ponto.

beijos!

Si disse...

Chorei...

Sam disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sam disse...

Me fez pensar muito nos meus pais que, mesmo separados, continuaram amigos.

Meu pai foi um pouco ausente enquanto outro ser social, mas minha mãe foi, é e sempre será minha base.

Hoje, quando penso em sair de casa, idealizo milhares de coisas, mas não sei se conseguirei ficar sem meus diálogos noturnos com ela.

Ana Paula disse...

Mto bom o post.

Leci Irene disse...

É... "... tudo passa, tudo passará..." - sem comentários...

Renatinha disse...

Lindo texto... Nos mudamos muito com os anos, nossas relaçnoes mudam, mas acredito que encontramos uma pessoa que mude com a gente, mude para melhor se encaixar na gente. Acredito talvez, por ter vindo de uma familia com um casamento de 40 anos, de um api que era um sonho e uma mãe pé no chão, como todas as mães devem ser...
Acredito que maior que tudo é querer construir algo para sempre como uma pessoinha que um dia escreverá um lindo post para mim.... rs
beijos
Re

MR disse...

Copiaria aqui o comentario da Mari "Tudo muda, e não só a pessoa que está ao seu lado, mas aquela que mora dentro de você." e principalmente essa, que é quem interpreta o Universo.

Lendo seu texto só consegui me colocar como pai... me esqueci de ter sido filho. Acho que umas memorias como filho me doem mais.

O quanto a vida é por um fio e passa rápida... nossa... deslizei por um minuto do meu centro Zen.

Vou acender um incenso e meditar um pouco para me recompor.

Careca disse...

Muito bom, também sou da turma de fãs.

Clô disse...

vim daí p/ cá, mudei de lugar , de sentimento de relações, mas muitas não mudam de mim. a saudade de vcs é uma delas. beijos

c l a r a ; disse...

me identifiquei um pouco com o texto, sou muito ligada ao meu pai, e não tenho mto contato com a minha mae, apesar de vivermos todos juntos. só.. acho que não concordei com a idéia de não querer passar o resto da vida com meu namorado. rs. acho qe sou jovem xD mas os textos são ótimos, parabens (:

Selena Sartorelo disse...

Olá meninas,

Perdoem-me mas não pude resistir,como sempre acontece quando gosto muito de alguma coisa, acabo falando e falando um bocado.
Mas cheguei aqui por conta do título, Ah! Pensei, quero ler bobagens..bobagens saudáveis.Sou o tipo chata sabe, e procuro o que chamo de bobagens com qualidade...queria algo leve, sem compromisso..filosofia então nem pensar..Não tive dúvidas, entrei.
E olha que não consegui despregar o olho até o texto chegar ao finalzinho..lia e pensava..danadas essas meninas, elas são danadas mesmo, mas quero só ver como isso vai acabar. E não poderiam ter dado um final mais inteligente do que esse.
Sou mãe. É! Aquelas, as mais chatas de todas. Com eles eu não sei falar se não for sério, não consigo relaxar, parece que cada momento eu tenho que explicar, dizer, indicar, educar, orientar o tempo todo. Deve ser uma tortura para eles, afinal sou gentil e sorrio, relevo as coisas com as outras crianças. Eles devem ficar piradinhos mesmo. Devem pensar. "Poxa se somos as pessoas que a mamãe mais ama no mundo, até mais do que o papai, por que ela é mais chata e sargento com agente, então?".
O pai deles até onde sei não me trái (brincadeira, ele é até hoje, o homem que amo e respeito há quase 20 anos e sei que é um sentimento recípocro esse, para ele também) Odeio fazer a linha, minha vida é perfeita, meu casamento é uma mar de rosas e todo esse blá, blá, blá...temos uma vida normal, imperfeitamente normal, mas somos felizes temos muito amor em nossa família..tudo certo, tudo lindo...Mas na verdade quero falar que sou filha também, um pouco ou bem mais velha que vcs não sei, mas devo ser. E sei o que estão dizendo. Lá em casa as coisas foram muito parecidas com essas que acabei de ler...Na verdade não tão boas assim, mas chegamos bem perto.
Falei, falei, falei e não falei o que pensei que quizesse falar. Isso sempre acontece, mas acabei me desconcentrando no que ia falar porque já passa da meia-noite e as crianças estão ainda cochichando no quarto e eu aqui Pishhhiuuuu! Falem mais baixo, o papai está dormindo"São pequenos, ainda não entraram na adolescência, mas estão há poucos passos dela.

Bom, depois dessa leitura sensível,inteligente e encantadora vou me deitar e amanhã apresentarei esse texto para as crianças, apenas para confirmar a frase popular "mãe é mãe, em qualquer parte do mundo."

Beijos e boa noite, não esqueça de se agasalhar e não chegue tarde em casa. Cuidado com as companhias e não esqueça de comer direito. Ah! cuide-se a mamãe ama você. Liga quando puder tá.


beijos,
Selena

bruno e.a. disse...

como sempre, na muche!

darsh. disse...

mexeu muito comigo esse texto, principalmente a parte que fala do seu pai.

e sobre duas pessoas quererem ficar juntas para sempre, isso também não me entra na cabeça, apesar de eu ter só 21 anos e uma vida amorosa em 10% ainda. mas eu vejo meus pais às vezes, que ainda são casados, e não entendo. e meu irmão, que com 27 anos já está passando por um divórcio. sei lá, as pessoas mudam muito, ficar junto para sempre realmente é uma promessa que não dá pra fazer.

falei demais, parabéns pelo ótimo post, como sempre :)

Geni disse...

Esse texto apareceu justamente num momento meu de dúvidas horríveis sobre isso. Obrigada, é bom se sentir acolhida por um pensamento igual.

Radael disse...

Foda. Mexeu comigo. Sério. Veio em um momento de reflexão sobre todos os conceitos da vida. Valeu. Beijo.

Gabriela disse...

ótimo texto! principalmente a última frase!

v.p disse...

Elegante, verdadeiro e sensível. Sei e compreendo cada detalhe. Sou pai de cinco meninas. Sou o cúmplice, o que esconde as coisas erradas e quebra os galhos. Sou o que ouve, brinca, vai às festas do colégio, ao piquenique da escola... Elas cresceram, tiveram também os seus filhos e ... que engraçado. Por que ainda as trato como se ainda precisassem de mim?

Ubirajara Pinto disse...

Emocionante...
Como as emoções mudam de tempos em tempos, em anos ou em segundos, mas o amor permanece, indescritivel.

"Que seja eterno enquanto dure" talvez seja a melhor descrição para a insegurança do tal "felizes para sempre.

Andrew Magalhães Morais Santiago disse...

O blog de vocês me surpreendeu. Que textos legais, hein? Gostei muito de ler "Relações", visto que os relacionamentos que mantemos com outras pessoas sofrem mesmo mudanças constantes. Acho que isso é provocado pela experiência de vida. Quando somos mais velhos a maturidade, o realismo e o senso de reflexão se tornam características mais evidentes e atuantes. Relações em plena metamorfose são fatos rotineiros afinal de contas "em um relacionamento nada se cria, nada se perde, tudo se transforma". xD

Vou segui-las, já que um blog como esse não se encontra todo dia.

Espero que possam visitar o meu blog. O endereço é: www.andrewmagalhaes.blogspot.com

Um abraço.

Andrew Magalhães Morais Santiago disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriela Gonçalves disse...

Linda declaraçao. Tocante!
bjus queridas

Roney disse...

Olá,

Fui convocado a indicar 5 bons blogs para o BlogDay 2009 e escolhi o de vcs.

O post vai ao ar hoje 9h no memedecarbono.com.br

Não significa muito afinal tenho poucos acessos, mas é uma forma de tentar compensar os bons textos de vcs.

Kaléu Caminha disse...

curioso, segundo blog que chego pelo meme do Roney e segundo que gosto muito..

Esse texto é maravilhoso e suspeito que não tenha sido simples deixá-l vir a tona. Falar dos nossos pais é sempre doloroso e maravilhoso em um jogo que mistura todos os nossos sentimentos, bate no liquidificador e nos dá quase sempre vontade de gritar, rir ou chorar.

Vocês são incríveis..
o título do blog engana.! :-)

elisa raquel disse...

sensação boa quando terminei de ler. gosto assim.

que lindo =)

Pensando disse...

Pois eu tenho 30 anos de casado, uma filha que casou faz um ano, mora pertinho, e um filho que acabou de fazer 18. Como todos fizeram, procurei ensinar aos meus filhos a viver, e isso é complicado. O tempo muda tudo, inclusive nós mesmos, e ao ensinar, tive que refazer conceitos legados de meus pais. Dei à eles coisas que não tive, mas tive medo ao ver que o valor atribuído não era o mesmo, pois prá eles era...normal. O comportamento social liberou geral, e reciclei conceitos, tabus, mas firmei pé em alguns, prá mim imutáveis. Uma mídia ditava regras, comportamentos e consumos, e entrava no nosso lar a qualquer hora. Como dizer que nem tudo era verdade, nem tudo possível, e alguns muito caros? Dilemas internos ao dizer NÃO, e ver olhares acusadores, fazendo-me sentir um alienígena. No frigir dos ovos acho que consegui, nessa loucura de mudanças rápidas demais pra minha cabeça, chegar à um bom termo. São sadios de cabeça, sabem o que é ética, educação, tem noções básicas de companherismo e ainda me amam. Aprendemos em família a temer a violência, cada vez mais presente, e nos protejer em contatos bem frequentes. GPS sentimental, via celular. Procuramos, como casal, ser referência aos filhos. Em crises, e existiram, analizamos no que nos tornamos, se valia a pena continuar, e acreditem, os filhos pesaram nas decisões. Por enquanto valeu a pena, ainda nos completamos.
Eles já começaram a viver sozinhos, afinal, tudo muda, e no fim sobraremos nós dois, numa casa grande, a repensar sentimentos e projetos, e talvez esperar netos.
O tempo realmente muda tudo, só que numa rapídez assustadora.
beijos, gurias redatoras

Sam disse...

A gente muda... e o amor que está na gente tbm...
afinal são muitos amores... muitos tipos... muitas mudanças!

Anônimo disse...

Minha mae tb ficou muito sozinha cuidando de mim e da minha irma. E com todas estas regras e falta de dialogo, ela descontou suas frustacoes na gente. Perdoei. Tive pena quando entendi. Nao tive raiva do meu pai, por ser um marido ausente. Mas ele sabia que minha mae estava sofrendo e que eu e minha irma pagamos o pato. Perdoei. Tive pena quando entendi. O que aprendi? Agora sei como nao fazer o mesmo...

Danielle

Vanessa Kaminski disse...

eu AMO o que vcs escrevem! tem concurso pra virar uma redatora de merda? eu quero!
parabéns! tava com saudade de vir aqui e ler vcs!

Revista Antimatéria disse...

A Revista Antimatéria é seu seguidor.
http://www.revistaantimateria.blogspot.com

abraços.

Revista Antimatéria disse...

A Revista Antimatéria é seu seguidor.
http://www.revistaantimateria.blogspot.com

abraços.

Revista Antimatéria disse...

A Revista Antimatéria é seu seguidor.
http://www.revistaantimateria.blogspot.com

abraços.

Revista Antimatéria disse...

A Revista Antimatéria é seu seguidor.
http://www.revistaantimateria.blogspot.com

abraços.

Revista Antimatéria disse...

A Revista Antimatéria é seu seguidor.
http://www.revistaantimateria.blogspot.com

abraços.

Primo disse...

Tenho quase 32 anos e ja sou casado ha 8. Nesse tempo, o que eu aprendi foi a aceitar as "mudancas" da minha esposa tao bem quanto as minhas. "Mudancas" sao um fato que nao temos como lutar contra. Entao, quando dizemos que amaremos para sempre, que ficaremos juntos para sempre, eu acredito que a promessa eh relacionada ao tentar, ao esforcar, procurando entender essas "mudancas" que vieram, que vem e que virao. Para mim, isso eh amar para sempre. Tentar entender para sempre as "mudancas".

Muitas vezes dizemos que alguem mudou pq essa pessoa age agora de forma diferente. Eu acredito que normalmente essa pessoa nao mudou. Ela esta so reagindo a fatos e experiencias que ocorreram na vida dela.

Entao eu acho crucial que eu tente o maximo possivel ver como outro ve as coisas... sentir como o outro sente as coisas, baseado no que ela eh. Isso me da clareza para distinguir entre uma atitute que vem como conseguencia de ocorridos e uma real mudanca de personalidade. Eu acredito muito que as pessoas nao mudam muito, elas estao so reagindo a essa camada de coisas que acontecem ao longo da vida que se acumulam sobre a verdadeira personalidade - a pessoa pela qual vc se apaixonou.

Mesmo pensando assim, muitas vezes nao entendo algumas atitudes, algumas opinioes e reacoes... e quando isso acontece, acredito que eu ainda nao tenha vivido o suficiente para entender; ou que nao estou me colocando apropriadamente no lugar dessa pessoa. O fato de pensar assim me da paz para ter menos frustracoes e raiva das pessoas. Eu acredito que existam muito poucas pessoas que realmente queiram o mal. Para mim, as pessoas as vezes fazem coisas que nao devem ou insinuam coisas que nao devem apenas por que estao refletindo a camada de vida por cima da personalidade "original de fabrica". Nao estou dizendo que estao certos ou que devem ser perdoados sempre, estou dizendo que hoje eu procuro descobrir a exata camada que esta causando aquelas acoes das quais nao gosto. Por isso continuo amando minha esposa como nunca, pois acredito que ela nao mudou, ela so acumulou "camadas", "coisas" que invariavelmente influenciam suas atitudes. Eu hoje consigo muitas vezes conectar atitudes/acoes dela a certas camadas de sua vida. Por eu entender, me ajuda a ter paz e paciencia para lidar com tudo isso.

Prima, por hoje eu consegui entender as camadas da sua mae, eu nao tenho nenhum rancor dela, mesmo que as atitudes dela nao tenham me feito bem no passado. Como alguem aqui tambem comentou, eu tento hoje aprender o maximo com as "camadas" dos outros para nao cometer os mesmos erros.

Beijos e beijos.

Luiza disse...

Sensacional, meninas. Lágrimas nos olhos e ctrl+c pra passar o link pra todo mundo! Beijos.

Culpada! Como qualquer mortal... disse...

texto muito bom ^^

e eh por isso q as pessoas tem q mudar constantemente, tudo muda, nada fica no msm lugar hehehe

ktuh disse...

Nossa gastei umas boas horas até meus olhos doerem. Valeu a pena!!!!! Muito bom.

Aninha Ruiz disse...

Adorei o blog!!!
Estou lendo tudo...
Já estou seguindo!!!
Beijinhos...

d e n i s e disse...

chorar tava no script?
se não, eu improvisei...
lindo LINDO texto!!!
;o)

Juca Filho /jucafii disse...

Dio mio, que texto bacana! Lindo mesmo, sincero. Dói e conforma. Vcs são ótimas.

Marcus Gusmão disse...

Na veia.