4.1.06

Meu querido desconhecido

Vejo em você uma esperança que perdi faz tempo. E fico a me perguntar como posso pensar tanto em alguém que ainda nem conheci. Sei muito pouco sobre você, mas conheço seu jeito de andar, seu sorriso. Gosto de como me olha, me observa e de como fala comigo. Breves palavras que alimentam o sonho de uma nova paixão, uma nova vida.

Sonho em fugir com você para um lugar que não conheço, deposito em você todas as minhas frustrações, acho que com você tudo será perfeito e eterno. Imagino seu beijo, me imagino na sua cama. Nos breves momentos em que nos falamos, tenho pressa em observar você. Analiso todos os pedacinhos de você, sua nuca, seu cabelo e lá vejo minhas mãos fazendo bagunça neles. Me apaixonei por um desconhecido e essa paixão me move. Não entendia o amor platônico, mas agora cá está ele, bem perto de mim, querendo brincar comigo. O engraçado é que quero ver até onde isso vai. Não que queira conhecer você além do que já nos conhecemos, um rápido aperto de mão. Mas quero ter você na memória todos os dias, quero fantasiar quando o tédio estiver próximo.

Meu querido desconhecido, não permita que eu conheça você melhor. Não me deixe descobrir os seus defeitos, nem me cansar da sua companhia, nem um dia querer reprovar os seus atos. Me ame assim também, de longe. E viveremos felizes com a idéia de um dia tudo ser real.

4 comentários:

Camila disse...

Adorei mais uma vez, meninas!
Beijinho...

Duas disse...

obrigada, camila. é bom ter pessoas como você por aqui, que gostam dessas linhas meio tortinhas. bjos

Anônimo disse...

nas palavras de Cecilia Meireles:

"Estou apaixonada por um personagem que eu inventei..."


adoro os textos de vo6, mas nunca tinha comentado...

Anônimo disse...

Meu Deus, parece que escreveu isto para mim!!